quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Crise na área de petróleo em Mossoró é gravíssima; demissões acontecem às milhares


A Petrobras segue desmontando suas obras na cidade e a perspectiva é extremamente negativa. Empresas grandes, que empregavam centenas de trabalhadores ou estão quebrando ou simplesmente estão indo embora. A maioria para o Rio de Janeiro, aonde a exploração petrolífera está de vento em popa. Tenho conversado com ex-trabalhadores de empresas e ouvido uma só versão: a atual presidente da Petrobras, Graça Foster, está por trás de tudo.

Ela teria a missão de moralizar a empresa, diante de supostos desmandos e denúncias de beneficiamento. Porém, suas ações têm sido vistas como radicais, como diminuir drasticamente os investimentos em novas obras, garantindo assim mais produção. A região de Mossoró foi afetada significativamente.

A Tenace,  por exemplo, quebrou após ter perdido contratos e não recebido obras realizadas. Novos critérios de pagamento por obra estariam inviabilizando as empresas. Só desta, nada menos do que 600 trabalhadores perderam seus empregos. Alguns retornaram ao mercado por outras empresas, mas tivera de sair de Mossoró. Muitos saíram da Tenace e tiveram de ir morar em Macau, Guamaré e Alto do Rodrigues.

Grandes
Grandes empresas do setor, mais sólidas, estão no caminho do “abandono”, deixando a cidade para ir ao litoral fluminense. A Skanska demitiu cerca de 900 funcionários que mantinha em várias obras na cidade. O desemprego tem provocado muitas dificuldades para a economia de Mossoró e região. São pessoas que vão ficar recebendo seguro-desemprego.

Êxodo
Um impacto forte na nossa economia é a saída dos trabalhadores do petróleo para outros centros. Mossoroenses natos estão fazendo o caminho de Macaé, Campos, Niterói e outras cidades do litoral fluminense, em busca de emprego. Técnicos especializados já estão sendo levados desde o ano passado e a tendência é de que muitos outros também sigam o mesmo caminho. O grande nó é que junto com eles vão seus salários, seu poder aquisitivo, portanto isso enfraquece deveras a nossa economia.

Reação
O grande problema que estamos vendo é que não há reação alguma nem da classe política, muito menos do Sindicato dos Petroleiros. Parece que está tudo numa boa, que ninguém está sendo demitido. O que há por trás dessa letargia, eu não sei, mas já já Mossoró vai sentir isso na pele. Justo agora que tínhamos tão boas perspectivas na cidade. Lamentável, sem sombra de dúvidas.


2 comentários:

Anônimo disse...

A reação política mossoroense está muito lenta em relação ao enfraquecimento o setor, quase todos de mossoró conhecem alguém que perdeu emprego na área ou que teve que ir para o Rio de janeiro ou Manaus.
As multinacionais instaladas aqui como Halliburton e Baker Hughes estão contratando somente para trabalhar fora do estado, há comentários que a Skanska vai entregar o contrato por inviabilidade, estão comentando que a Saipem também vai embora, as empresas de menor porte estão trabalhando em seu limite financeiro, e algumas se deixando dívidas pela cidade, isso sem falar na grande perda de empregos indiretos, contratos de aluguéis de equipamentos, comércio de ferramentas, cursos técnicos e universitários, ou seja, atitudes totalmente irresponsáveis da diretoria da Petrobrás, e chegando à tona a grande falta de competência dos políticos de nossa cidade.
Nicholas Yure.
nicholasyure@hotmail.com

Anônimo disse...

Prezados. Na realidade, todos tem a ciencia o porque da skanska entregar o contrato. O extremo desvio de recursos foi o real motivo.