quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Por questão de segurança, EUA rejeitaram transferir megatraficante pelo aeroporto de Mossoró

Os agentes americanos enviados ao Brasil para extraditarem o megatraficante colombiano Nestor Ramon Caro-Chaparro, o El Duro, não quiseram "apanhar" o preso em Mossoró. Ontem, foram solicitadas informações a respeito das condições do aeroporto local. A infraero repassou todos os dados e, por questões de segurança, os americanos pediram a ajuda da Polícia Federal para que o preso só fosse entregue em solo natalense.

Uma equipe da US Marshall - a Polícia Federal americana (não a CIA como noticiei erradamente no post mais abaixo) - pediu que a PF fizesse o traslado de Mossoró para Natal, temendo pelas condições de segurança do aeroporto da segunda cidade do Estado. E assim foi feito: o avião do Governo do Estado foi solicitado e prontamente cedido. Assim, El Duro foi levado às 5h para a capital e de lá seguiu para os Estados Unidos em voo exclusivo.

O megatraficante colombiano estava preso em Mossoró desde abril do ano passado, após ter sido capturado pela Polícia Federal no Rio de Janeiro.

El Duro é apontado como braço direito de Juan Carlos Abadía, um dos maiores traficantes do mundo, que foi preso no Brasil e extraditado aos Estados Unidos há cerca de três anos.

A extradição de El Duro - assim como foi a de Abadia - foi decidida pelo Supremo Tribunal Federal (STF) conforme determina a Constituição brasileira para casos de extradição.

ESTA POSTAGEM MERECE UM COMENTÁRIO: Se o aeroporto não tinha condições de segurança para os americanos virem buscar El Duro, imagine o quanto estamos a perigo com essas transferências constantes envolvendo figurões como Beira-Mar e Cia. LTDA. Deus nos livre e guarde.

Um comentário:

Aoem Menescal disse...

Enquando isto, o Cesare Battisti ainda continua no Brasil por questões ideológica do Lula Molusco. ah Petralhas!!!